Grande Canalha!

O casal montou uma pequena empresa e, dentro das condições do momento, nas dependências da  própria moradia, foi tocando o seu funcionamento.

Empenhados em criarem condições para bancar a faculdade dos filhos, foram se esforçando cada dia mais e tal atitude - não poderia levá-los a caminho diverso – fez com que a empresa fosse crescendo, obrigando-os a alugarem uma pequena loja, que funcionava, a princípio, como escritório.

O movimento, no local, foi crescendo e eles, vislumbrando outras possibilidades, abriram espaço para empregarem os filhos, um a um. Começaram alugando uma máquina de fotocópias, para aumentarem a renda familiar e quem cuidava desta parte, além dos filhos, era a mulher.

Mas, como nem sempre havia trabalho que lhe ocupasse todo o tempo disponível, algumas vezes o marido ficava ao lado dela para auxiliar nessa tarefa. Especialmente quando o número de cópias era muito grande e exigia maior empenho.

Naquele dia, com muito mais razão ele precisou ajudar. Um processo, de alguns volumes e um trabalho, que exigia muita atenção.Era preciso ir organizando as folhas, com todo o cuidado, depois de feitas as cópias. E o marido foi se incumbindo desse trabalho.

Durante uma pequena parada para abastecer, de papel, a máquina fotocopiadora, o marido começou a ler o conteúdo das folhas que tinha à sua frente.

Era um processo de desquite litigioso –  litigância de total intensidade – e algumas cenas ali descritas eram chocantes.

O advogado, que viera fazer as cópias daquele velho processo, precisava do conteúdo daqueles autos, para promover o inventário dos bens, depois da morte dos ex-cônjuges.  Parecia um profissional experiente e, além do mais, já não era tão jovem; estava naquela fase em que, normalmente, os primeiros fios de cabelos brancos começam a tingir as têmporas.

À medida em que avança na leitura, o dono da loja vai se entusiasmando mais e mais, com os lances melodramáticos de que vai tomando conhecimento através da distraída leitura.

-Vagabunda! - Diz ele, revoltado com um lance de traição.

Avança, cada vez mais entretido e participante daqueles episódios.

-Que sujeira! – Comenta ele, sempre em voz alta – Como podem duas pessoas ser tão descaradas...

As mãos tremem, com a emoção contida em cada novo lance. Ele participa, de corpo e alma, de toda aquela trama.

-Bandalheira! Cada um pior que o outro.

A mulher chama-lhe a atenção mas, debalde. Decide ir tocando, sozinha, o trabalho porque ele está quase em transe e sequer ouve as suas admoestações. Era como se ele estivesse em outro mundo, em outra dimensão.

-Que falta de moral! – exclama – Covarde! Como é que você pode agredir assim à sua mulher? Sujeitinho sujo!

Está quase apoplético, vermelho e trêmulo. Num último ato de revolta e inconformismo ele, quase, grita:

-Grande Canalha!

-Eram meus pais – diz, envergonhado, o advogado.

Carlos Gama.

23 de dezembro de 2001 – 23:55 h

Design by Rosy Beltrão

voltar

 

          Página Principal