Queimou a Placa Mãe

 

 

Nem sei, realmente, se foi esse o problema mas, alguma coisa muito séria deve ter acontecido no computador central, porque o Magrão anda sem memória nenhuma.

Se ele fosse ao pronto socorro, certamente diriam que é uma virose, como vem ocorrendo atualmente, depois da epidemia de dengue, cujas estatísticas são acobertadas com essa desculpa; até a incompetência foi batizada com esse nome: virose

Qualquer que seja a virose, o importante é que não seja de bruços, pois essa é das mais perigosas e, não tem cura.

Fazia uns vinte dias que não conversávamos assim, tranqüilamente - embora nos vejamos em quase todos os finais de semana - porque os nossos encontros são dentro da quadra de tamboréu e, acaba não dando tempo de trocarmos muitas palavras, nem mesmo informações ou notícias importantes.

Hoje, pela manhã, por causa da gripe que nos atingiu, fomos obrigados a deixar a “fome” de lado e descansarmos, um pouquinho, entre uma partida e outra. Normalmente nós jogamos uma partida, seguida da outra e isso acaba impedindo as nossas conversas.

Sentados ali quietos, observando a partida que se desenrolava na quadra mais próxima, a conversa foi fluindo livre, sem objetivos ou assunto definidos. Nessa troca de palavras, intercaladas com a “palpitação” no jogo, acaba ele dizendo que é avô, novamente. Agora, é uma neta.

Muito naturalmente, a primeira pergunta surge espontânea: Qual o nome dela?

 E ele, com ar de constrangido - que a gente nunca sabe se é verdade ou palhaçada - me diz que não se lembra.

-Sai pra lá, Magrão! Não me venha com gracinhas.

-Verdade, cara! Eu...Eu...Nem sei o que dizer.

-Deixa de conversa!

-É uma vergonha, eu sei! Com você, tudo bem que é meu amigo mas já me aconteceu, duas vezes em presença de gente estranha. E quanto mais eu me esforço por lembrar, mais difícil parece que fica.

-Vamos chamar um técnico em informática. Deve ter queimado a placa!

-Eu aqui agoniado e tu ainda me tira sarro?

-Não, cara! Estou falando sério, querendo ajudar você a descontrair.Você se lembra de seu nome?

-Pô! Diz ele, me olhando de soslaio.

-Quer que eu te acompanhe até em casa?

-Vá se f...! Diz ele – Agora, rindo.

E você ainda duvida, quando eu afirmo que ele é o maior "desligado" da paróquia?

O nome da neta ele não lembrou, mesmo!

 

Carlos Gama. "www.suacara.com

30 de maio de 2002 – 17,02 h

 

 

voltar